Palavras-chave: Bahia, Brasil, Dungsia, Dungsia brevicaulis, Dungsia marcaliana, taxinomia


Resumo:
Apresentamos, a seguir, uma nova espécie de Orchidaceae do gênero Dungsia, descoberta no sul da Bahia (Brasil) por Sidnei Marçal.
 

O gênero Dungsia foi estabelecido por Chiron & Castro Neto (2002) para acolher três espécies antes pertencentes no gênero Laelia. O taxon aqui estudado era, na realidade, já conhecido por um de nós (MC) desde l985, antes de ser novamente coletado recentemente, mas havia dúvidas importantes quanto à sua identificação. Em conseqüência do estudo das espécies do gênero Dungsia realizado por um de nós (GC) e em virtude da constatação de que esta planta não coincide com a Dungsia brevicaulis (H.J. Jones) Chiron & V. P. Castro, chegamos à conclusão de que se trata realmente de uma boa espécie.
Na verdade, ela difere, essencialmente da Dungsia harpophylla por seu porte, muito menor, por suas sépalas e pétalas mais largas e por seu labelo que possui um lobo mediano mais estreito terminando em ponta fina.

  Ela difere, essencialmente, da Dungsia brevicaulis pelas dimensões, respectivamente, dos pseudobulbos e das folhas e por seus segmentos florais mais estreitos.
A tabela 1 e a figura 1 completam a explicação das diferenças. Elas foram estabelecidas a partir de observações pessoais, assim como com base nos dados da literatura, sobretudo Jones (l972), Pabst & Dungs (l975) e Withner (l990)


 
D. brevicaulis
D. harpophylla
D. marcaliana
comprimento dos pseudobulbos em relação às folhas
mais de duas vezes mais curtos
perto de duas vezes mais longos
ligeiramente mais longos
forma das folhas
mais para larga
estreita
larga
número de flores por inflorescência
2-3
6-8
4-6
posição das sépalas laterais
aproximadas, quase paralelas ao labelo
à 45º do labelo
à 45º do labelo
largura das sépalas e das pétalas
7-9 mm
<6 mm
6-7 mm

lobo mediano do labelo
mais estreito, terminando em ponta fina
se alargando a partir da base, ápice obtuso
regularmente estreito, ápice agudo
lobos laterais do labelo
relativamente curtos, separados do lobo mediano
relativamente curtos, separados do lobo mediano
relativamente longas, sobrepondo o lobo mediano


 
 
 

  Tabela 1: comparação das três espécies de Dungsia
Figura 1: Comparação dos labelos das espécies de Dungsia
(Baseado em Withner (l990) e observações pessoais)


  Dungsia marcaliana Campacci & Chiron in Richardiana II (2) - mars 2002, 75/79

Herba epiphytica, rhizomate breviusculo, pseudobulbis cylindraceis, tenuibus, 11,0-15,0 x 0,3-0,4cm, unifoliatis ; foliis lanceolatis, leviter curvatis, coriaceis, 10,0-13,0 x 1,5-1,8cm ; floribus mediocribus, luteis vel aurantiacis ; sepalibus leviter retroflexis, dorsale lanceolato, 3,2 x 0,6cm et lateralibus falcatis, 2,8 x 0,7cm ; petalibus lanceolatis, leviter retroflexis, 3,2 x 07,cm ; labello profunde tribolato, in centrum bicarinato, leviter retroflexo, 2,5 x 1,0cm, lobo medio angusto, ondulatimarginato ; columna lutea , 1,0 x 03cm ; 8 pollinia.



 

Tipo: Brasil, Bahia, nos arredores da cidade de Buerarema.
Coletada por Sidney Marçal em outubro de 2001, sobre o número 105.
Floração em cultura em fevereiro de 2002.
Holótipo: SP.
Etimologia: Nome dado em honra de seu coletor Sidnei Marçal


  Descrição: Planta epífita, subcespitosa, com pseudobulbos cilíndricos, atingindo até 15,0 cm de comprimento por 0,4 cm de diâmetro, unifoliados; folhas lanceoladas, avermelhadas no dorso, coriáceas, com até 13,0 cm de comprimento por 1,8 cm de largura na sua parte central; inflorescência apical, curta, ostentando normalmente 4 a 6 flores simultâneas; flores pequenas, amareladas ou alaranjadas; sépalas levemente reflexas, a dorsal lanceolada, com 3,2 cm de comprimento por 0,6 cm de largura e as laterais falcadas, com 2,8 cm de comprimento por 0,7 cm de largura; pétalas lanceoladas, também levemente reflexas, com 3,2 cm de comprimento por 0,7 cm de largura; labelo profundamente trilobado, com 2 carenas baixas no centro, com 2,5cm de comprimento por 1,0 cm de largura, o lobo mediano agudo, com as margens onduladas; coluna da mesma cor dos outros segmentos, com 1,0 cm de comprimento por 0,3 cm de largura; 8 polínias

  Distribuição - Habitat: Sul da Bahia, próximo à cidade de Buerarema. Florestas úmidas da Mata Atlântica, endêmica de pequena região do sul da Bahia, em altitudes que variam de 200 a 300 metros. Floração: Verão brasileiro.

  Prancha botânica e fotografias: Marcos Antonio Campacci

 

Bibliografia:

Chiron, G & V. P. Castro Netro, 2002. Revisão das espécies brasileiras do gênero Laelia Lindley. Richardiana II (1): 4-28.

Jones, H . J. l972. A new species of the orchid genus Hoffmannsegella. Rhodora, Vol 74:283-286.

Pabst,, G. F. * F. Dungs, l975. Orchidaceae Brasiliensis, vol. I.

Withner, C.L., l990. The Cattleyas and Their Relatives. Vol 2: The Laelias. Timber Press, Portland, Oregon.


Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail orchidnews@oi.com.br


<<===
voltar