Este tópico foi criado para homenagear os pequenos cultivadores brasileiros, especialmente aqueles do Rio de Janeiro. Além da homenagem, pretendíamos repertoriar o cultivo no Rio de Janeiro de modo que, ao longo do  tempo, se pudesse ter uma idéia de quem estava cultivando o quê, permitindo assim um melhor intercâmbio entre os cultivadores.
Resolvemos expandir esse nosso critério e começaremos a apresentar cultivadores de outros estados e de outros países, atendendo, desta forma, também a uma crescente demanda de nossos leitores.





 
Antonio Yoshio Sano
Antonio Yoshio Sano, um apaixonado por Cattleya walkeriana, nasceu na cidade de São Paulo, há 48 anos. Ainda menino, gostava de plantar sementes de vários grãos e aguardar, com muita paciência e dedicação, as miúdas folhas começaram a crescer, encantando-se como a natureza que ele via sábia e colorida.
Os estudos e o trabalho o afastaram por um certo período das plantas, mas ficou a determinação e a vontade de continuar ligado à natureza e ao belo.
Formou-se em Design Industrial e em seu trabalho no setor de Desenho de Iluminação Comercial e Residencial (durante 17 anos) continuou apreciando a arte, sempre ligado ao movimento, à luminosidade e à harmonia das cores.
Hoje mantêm um orquidário especializado em Cattleya walkeriana e um site na Internet - Walkeriana Sano - que é visita obrigatória para todos que gostam, de uma maneira especial, desta espécie.
Além disto, hoje, é proprietário de um pequeno restaurante.


  ON: Por que começou a cultivar orquídeas? Qual foi o momento mágico da atração?

Sano: O gosto pelas plantas desde a infância dirigiu-me primeiramente ao cultivo de violetas, encantando-me pelas suas inúmeras colorações e formatos.
Vendo o pequeno jardim japonês de minha avó, começou o meu primeiro contato com os seus vasos de orquídeas, descobrindo a partir desta interação que o seu hobby, após um dia estressante de trabalho, seria o cultivo de orquídeas.
 

 
Cattleya walkeriana aquinii 'Sano'
ON: Há quantos anos você cultiva orquídeas?
Sano: Essa mania já dura 20 anos, aproximadamente.




ON: Onde você cultiva suas plantas?
Sano: Meu pequeno orquidário “estufa” tem, aproximadamente, 11 m2 . Está localizado próximo ao Aeroporto de Congonhas, sofrendo com isso um excesso de poluição e fuligem.
A solução encontrada para esse problema foi a utilização do sombrite (Aluminet) mais um fechamento plástico.


 

C. walkeriana concolor 'Herman'
ON: Quais são as condições climáticas encontradas em seu ambiente de cultivo?

Sano: A vantagem da minha estufa é ser bastante iluminada e ventilada, conseguindo, desta maneira, um cultivo com razoável sucesso.


C. walkeriana concolor 'Junya'


  ON: Não precisamos perguntar qual a sua orquídea preferida. Você só cultiva Cattleya walkeriana deste o início?

Sano: No início, as formas variadas das diversas espécies me encantavam e fui colecionando Oncidium, Laelia, Cattleya e outras. Aos poucos, a orquidofilia tomou conta da minha vida e fui participando de cursos, palestras, exposições e me aprofundando, com muita dedicação, no maravilhoso mundo das orquídeas.
Atualmente direcionei a minha coleção para as magníficas walkerianas.

 

 

C. walkeriana 'LR'
ON: Quantas plantas você possui, aproximadamente?

Sano: Atualmente, conto aproximadamente com 200 plantas de Cattleya walkeriana e alguns seedlings, mas com a preocupação de não aumentar muito a quantidade e sim valorizar a qualidade.
Meu cultivo é em 90% de walkerianas, as outras são as Cattleyas e Laelias que estão no site.
Esse direcionamento, praticamente para uma só espécie, facilitou o cultivo e melhoria da coleção.


  ON: Quanto tempo, por dia, você gasta em seu orquidário, cuidando de suas orquídeas?

Sano: Visito-o, diariamente, assim que acordo e após um dia maluco e corrido de São Paulo, considerando-o como meu refúgio
.

    ON: Qual foi o fato ou pessoa determinante para esta sua atração pela Cattleya walkeriana?

Sano: A minha preferência por esta espécie deveu-se a uma visita a um orquidário da colônia japonesa.


ON: Existe alguma história interessante ligada a esta sua visita, como foi isto?

Sano: O proprietário, uma pessoa pequena, magra, com cabelos brancos e já com muita
  idade, vetou-me a compra de uma walkeriana, dando-me uma resposta de samurai em japonês: “Walkeriana para você é muito cedo, aprenda a cultivar outras mais simples primeiro.”
Na época, precisei de muita determinação e humildade, visitando-o por diversas vezes, com fotos de
  minhas outras orquídeas cultivadas, até conseguir a minha primeira walkeriana.
Essa paixão pela sua forma e cor me fascina cada vez mais. Tenho muito orgulho da batalha conquistada.
Hoje, esse pequeno samurai de 90 anos é um grande amigo que me presenteou com uma magnífica Cattleya walkeriana “Feiticeira”. A escolha pela walkeriana foi pela beleza da flor, seu perfume, sua variedade muito grande (tipo alba, semi alba, coeruleas, suavíssimas, flameas, aquinada...) e o período de floração, bastante longo. Sendo que este ano a floração começou em março e deve continuar a florir, aproximadamente, até meados de outubro.
No ano passado, com o intenso calor do verão, tive a grata satisfação de conseguir floração até o final de ano, com uma Cattleya walkeriana var. coerulea.



C. walkeriana 'Feiticeira'
 
 
C. walkeriana coerulea 'Neon'                                 
C. walkeriana coerulea 'D. Tôme'
 C. walkeriana coerulea 'Gilda Maria'

  ON: Esta sua predileção tão especial por Cattleya walkeriana resultou num site que é visita obrigatória para quem gosta, de maneira especial, desta espécie. Como foi isto?

Sano: Com formação em desenho industrial, uma das minhas matérias preferidas era a fotografia, culminando, desta maneira, na criação do meu primeiro site em 1999. Com uma preciosa ajuda do meu filho, hoje, apresentamos o terceiro site, totalmente reformatado para ser visitado pelos inúmeros amigos que consegui nestes anos de dedicação e paixão pela orquidofilia.


ON: O senhor teria alguma dica de cultivo para no dar?

Sano: Adotar um cultivo seu. Não deixar a walkeriana como ela veio: algumas na placa de peroba, outras na placa de xaxim, em vasos com musgo, xaxim, casca de pinus, fibra de coco, etc., umas em pote de plástico, outras em vaso de barro, com dreno de brita, outras de caco de vaso, em vaso alto, vaso baixo...
Enfim, adote um modelo seu: tipo de vaso, tipo de dreno e o substrato.
Fica mais fácil de observar o seu acerto ou erro e a rega e a adubação ficam melhor controladas.
Eu cultivo no sphagnum, com pedaços de isopor no fundo do vaso e agora estou experimentado a fibra de coco.
Segredo eu não tenho, mas se alguém precisar de alguma informação é só entrar em contato.

 
 
C. walkeriana tipo
'Sonho de Outono'
C. walkeriana tipo
'Princesa Rosa'
C. walkeriana suavíssima
'Princesa'
C. walkeriana tipo
'Suspiro'

  ON: O que mais você gostaria de dizer?

Sano: Apesar de estarmos no século XXI, com todos os seus avanços tecnológicos, é bom descobrir que existem pessoas sensíveis, que se rendem ainda diante da beleza de uma flor.
Esse maravilhoso hobby abriu-me as portas para fazer amigos de 90 anos, com sua bagagem de experiência e jovens companheiros de 15 anos, com seu afã em aprender com a mesma velocidade de sua idade.
O tempo tem sido generoso comigo. A Natureza abriu um novo horizonte para o meu outono.


ON: Muito obrigado.
 

C. walkeriana 'Guaxupé'

Visite o site Walkeriana Sano ou guarde esse endereço para uma visita posterior: http://www.angelfire.com/mt/orchids/



  Fotos: ©Yoshio Sano
Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros),
sem a expressa autorização de seus autores. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail orchidnews@oi.com.br

voltar