(continuação)

 

Galeandra Lindl.

Aparece desde Roraima até o Rio Grande do Sul, mas concentra-se na região amazônica, exposta a intensa luminosidade inclusive com luz solar direta, crescendo próxima a espelhos d'água (Francisco Miranda, l996). Das cerca de 24 espécies, o estado do Pará tem 12 espécies e o estado do Amazonas , pelo menos, 10 espécies.


Galeandra minax Rchb. f.
é uma espécie epífita restrita aos estados de Pará e Roraima, em Igarapés, Igapós e Várzeas.

Galeandra styllomisantha (Vell.) Hoehne
é a espécie de maior distribuição, em 12 estados do extremo norte ao Rio Grande do Sul.

Galeandra devoniana Schomb. ex Lindley
ocorrendo em área de Floresta Amazônica, nos estados de Amazonas e Pará, fica submersa por meses durante o período das cheias. Planta epífita.



Grobya Lindl.
Gênero de 5 espécies, sendo duas delas recentemente descritas (2004): uma para o estado de Santa Catarina (Grobya guiselii F. Barros & Lourenço)e outra para Minas Gerais (Grobya cipoensis F. Barros & Lourenço).

Grobya amherstiae Lindl.  
Planta epífita, ocorrendo em região montanhosa.
(MG, PR, RJ, RS, SC, SP)  

Habenaria Willdenow
Com mais de 100 espécies, é o maior gênero de orquídeas terrestres.

Habenaria leptoceras Hook
Ocorrência da espécie em plena cidade do Rio de Janeiro, a menos de 300 m de altitude em barrancos bem iluminados pelo sol matinal.
(AM, BA, ES, MG, RJ)

Laelia Lindl (*)
Das quase 50 espécies epífitas ou rupícolas (sem contar os híbridos naturais), 29 ocorrem no estado de Minas Gerais, 22 no Espírito Santo, 9 no estado da Bahia.

Laelia lundii Rchb. f.  
É a única espécie do gênero que se estende para o oeste, ocorrendo também no estado do Mato Grosso do Sul.
(DF, GO, MG, MS, PR, SP)  

(*) Recentemente dois importantes estudos foram feitos, desdobrando ou transferindo as espécies brasileiras de Laelia para outros gêneros. Mantivemos aqui a nomenclatura antiga por serem assim mais conhecidas.

Maxillaria Ruíz & Pavón
O gênero possui mais 70 espécies no Brasil, espalhadas pelas diversas regiões.

Mormodes Lindl.

Um gênero praticamente amazônico com 24 espécies, onze delas ocorrendo no estado do Amazonas e sete no Pará. A única exceção é Mormodes sinuata Rchb. f. & Warem, com registro também para o Distrito Federal e para estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Na região amazônica, ocorre em matas ribeirinhas ou bordos de igapós e várzeas (Francisco Miranda - 1996).
Cerca de 10 espécies foram descritas mais recentemente: auriculata Miranda (MS), carnevaliana Salazar & Romero (RR), castroi Salazar (amazônia brasileira), dasilvae Salazar (MT, PA), densiflora Miranda (RO), elegans Miranda (RO), hoehnei Miranda & Lacerda (RO), hirsutissima Miranda (AC- raro), issanense Miranda & Lacerda (AM), paraensis Salazar & da Silva (PA), pilosissima Miranda (AC), rodriguesiana Salazar (MT), tapoayense Miranda & Lacerda (AM, RO).


Mormodes hoehnei Miranda & Lacerda
Foto Papel Já foi encontrada uma planta com 10 hastes florais em um único pseudobulbo com 32 a 36 flores cada uma (Kleber Lacerda, 1995.
(RO)

Notylia Lindl.
Gênero com quase de 25 espécies, ocorrendo em diversas regiões mas principalmente na região amazônica.

Notylia lyrata Sp. Moore
é a espécie de maior área de distribuição, presente, pelo menos, 16 estados.
(AM, DF, ES, MA, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PR, RJ, RS, SC, SP, TO).

Notylia sp provavelvemente Notylia pubescens Lindl.
Encontrada em área de restinga.

Octomeria R. Brown
Tem mais de 70 espécies, a maioria com distribuição bem restrita, sobretudo nos estados do sudeste, com exceção de Octomeria grandiflora Lindl.
 
Octomeria grandiflora Lindl.
(AC, AL, AM, AP, ES, MA, MG, PA, PR, RJ, RR, SC, SP)

Oeceoclades Lindl.

Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl.
É a espécie de orquídea de maior dispersão no Brasil ocorrendo em 22 estados.

Oncidium Sw.
O gênero possui mais de 100 espécies (epífitas ou rupícolas) no Brasil (fora os híbridos naturais), a maior parte ocorrendo na Mata Atlântica, mas com espécies bastante vistosas como o Oncidium lanceanum Lindl. ocorrendo na Floresta Amazônica.

Oncidium morenoi Dodson & Luer
Ocorre em 10 estados do norte, em área de Floresta Amazônica e também no estado do Espírito Santo (ao norte, em área conhecida como Hiléia Bahiana).

Oncidium nanum Lindl.

Sua ocorrência está restrita a áreas da Floresta Amazônica, nos estados de AC, AM, MA, MS, MT, PA, RO, RR, TO.


Oncidium cebolleta
Aparece em quase 20 estados, de Roraima até Minas Gerais e Espírito Santo.

Oncidium lanceanum Lindl.  
Encontrado nas árvores das bordas das Matas de Iguapó, com ampla distribuição por toda a Amazônia (Francisco Miranda 1996)

Orleanesia Barb. Rodr.
Gênero restrito à região amazônica. Alguns habitats estão desaparecendo em função da expansão imobiliária na região, na área metropolitana de Manaus.



Paphinia Lindl.
Até o momento, suas espécies só foram encontradas nos estados de Amazonas e Pará,em floresta ombrófila densa (matas de terra firme).

Paphinia cristata Lindl.
Tem ampla distribuição no AM e PA (Francisco Miranda, l996).

Paphinia grandiflora Barb. Rodr.
Ocorre em matas fechadas, como epífita, mas próxima do solo onde há pouca luz (Kleber Lacerda,1995) e de distribuição mais restrita no estado do Amazonas (Francisco Miranda, l996).

Peristeria Hook.
Até o momento, suas espécies só foram encontradas nos estados de Amazonas, Pará e Roraima.

Pleurothallis R. Brown
É o gênero mais rico no País com cerca de 150 espécies e está presente em todos os estados. Algumas espécies têm distribuição bem restrita como Pleurothallis henrique-aragonii Campos Pôrto ex Pabst (só no RJ) e outras, com distribuição bem ampla como Pleurothallis grobyi Batem. ex Lindl.(AM, BA, ES, MG, PA, PR, RJ, RR, RS, SC, SP).
Diversas propostas de alterações nomenclaturais com criação e transferência para outros gêneros, sinonimização, foram feitas por parte de diversos pesquisadores.

Pleurothallis grobyi Batem. ex. Lindl.

Promenaea Lindl.

Gênero restrito ao sul e sudeste com ocorrência de duas espécies no estado do Bahia (Promenaea silvana F. Barros & Cath. e Promenaea sincorana P. Castro & Camp.).


Promenaea guttata Rchb. f.  
Até recentemente considerada como restrita ao estado do Espírito Santo, foi encontrada no Estado do Rio de Janeiro, perto de Angra dos Reis.
 

Prosthechea Knowles & Westc.

Gênero com perto de 30 espécies, distribuídas em diversas regiões do país, algumas com distribuição bem ampla como a Prosthechea fragrans (Sw.) W.E. Higgins, mais conhecida como Encyclia fragrans, presente em 17 estados e outras com distribuição bem restrita com a Prosthechea faresiana (Bicalho) W.E. Higgins, unicamente em Minas Gerais.

 
Prosthechea fragans (Sw.) W.E. Higgins
 
Prosthechea faresiana (Bicalho) W.E. Higgins

Pseudolaelia Pôrto & Brade

Gênero que parece ter preferência por vegetar sobre Vellozia. Possui 11 espécies com três recentes descrições: Pseudolaelia maquijiensis M. Frey, no Espírito Santo (2004), Pseudolaelia freyi Chiron & V.P. Castro, na Bahia (2004) e Pseudolaelia brejetibensis M. Frey, no Espírito Santo (2003).


Pseudolaelia corcovadensis Porto & Brade
(ES, MG, RJ)

Sobralia Ruiz et Pavón
Gênero com cerca de 15 espécies com distribuição mais ampla na região amazônica, sobretudo no estado do Amazonas (Sobralia fragrans, infundibuligera, liliastrum, macrophylla, margaritae, sessilis), embora esparsamente distribuídas em alguns poucos estados das regiões nordeste, sudeste e sul.

Sobralia sp. da Amazônia

Trichocentrum Poepp. & Endl
Gênero de poucas espécies ocorrendo tanto na região amazônica (Trichocentrum albo-coccineum e Trichocentrum fuscum ) como em área da Mata Atlântica (Trichocentrum fuscum).

Trichocentrum albo-coccineum Lind.
Espécie rara (Francisco Miranda, l996).
(AL, AM, DF, GO, MT , PA)

Trigonidium Lindl.
Gênero de 6 espécies, a maior parte com área de distribuição bastante ampla em área de Mata Atlântica, embora ocorrendo também na Floresta Amazônica.

Trigonidium sp.

Zygopetalum Hooker
Gênero restrito ao sul e sudeste brasileiro, com exceção de apenas duas espécies recentemente descritas para o estado da Bahia: Zygopetalum silvanum V. P. Castro & Campacci e Zygopetalum sincoranum V. P. Castro & Campacci.
E também da presença de Zygopetalum maxillare Lodd. no estado do Mato Grosso.
Sendo esta última a espécie de maior área de distribuição ocorrendo em todos os estados do sul e do sudeste.
Duas espécies ocorrem exatamente nos mesmos estados (ES, MG, RJ, RS, SC, SP): Zygopetalum mackayi Hook. e Zygopetalum crinitum Lodd.

Zygopetalum crinitum Lodd.

Zygosepalum Rchb. f.

Gênero com 5 espécies praticamente restrito à região amazônica, com quatro delas ocorrendo no estado do Amazonas. Zygopetalum labiosum (L.C. Rich.) Garay é o de maior área de distribuição AM, AP, MA, PA, RO e com muitas variações de labelo e poucas variações de colorido (Kleber Lacerda - Amazon Discovery of new Species and Extinction - 1995). Zygosepalum lindeniae ocorre nos igapós, em locais sombreados e distribuição muito restrita (Francisco Miranda, l996).
A única espécie que ocorre fora desta região é o Zygopetalum ballii (Rolfe) Garay , no estado do Pernambuco.



Siglas dos Estados




Fotos: Sergio Araujo - ©Sergio Araujo - 2005


 
voltar ao sumário
  bibliografia


Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail orquideas@superig.com.br