Baseado na "Synopsis of the Brazilian orchid genus Grobya, with the description of two new species"(1)

(*) Fabio de Barros e Ricardo de Azevedo Lourenço,
Botanical Journal of the Linnean Society, 2004, 145, 119-127


Todas as espécies conhecidas deste pequeno gênero só ocorrem no sul e sudeste do Brasil com uma ocorrência no estado da Bahia. Este gênero foi estabelecido por Lindley (l835) com base em Grobya amherstiae Lindl. Além da espécie-tipo, mais duas outras foram descritas durante o século 19: G. galeata Lindl. e G. fascifera Rchb. f. Até o ano passado, estas eram as únicas espécies consideradas como válidas. Entretanto enquanto estudavam plantas cultivadas na coleção de orquídeas do Instituto de Botânica de São Paulo, Fabio de Barros e Ricardo de Azevedo Lourenço descobriram duas novas espécies e as descreveram: Grobya guiselii F. Barros & Lourenço e Grobya cipoensis F. Barros & Lourenço.

Sinopse do Gênero Grobya Lindl.

Grobya amherstiae Lindl.
(Botanical Register - 20: pl. 1740. 1835)

Colorido: As sépalas são amarelas assim como as pétalas que são pintalgadas de marrom. O labelo é trilobado e amarelo com o ápice marrom.

Inflorescência:Uma ou duas hastes sub-eretas ou arqueadas por pseudobulbo.

Floração: Floresce principalmente entre fevereiro e maio.

Habitat: Cresce como epífita em matas úmidas e sombreadas principalmente na Mata Atlântica mas pode atingir também matas de interior nos estados de Minas Gerais e Bahia.
Figure 1. Grobya amherstiae.
A. Hábito vegetativo- B. Dissecação floral- C. Lobo mediano do labelo (vista ventral) - D. Lobo mediano do labelo (vista dorsal) - E. Coluna (vista lateral)  F. Ápice da coluna (vista lateral) - G. Coluna (vista ventral), mostrando a antera deslocada - H. Antera (vista ventral).
 

Grobya cipoensis F. Barros & R. Lourenço
(Botanical Journal of the Linnean Society, 2004, 145(1): 120, 122-123 2004)

Tipo: Brasil, Minas Gerais: Santana do Riacho, Serra do Cipó.

Colorido: As sépalas são amarelas e as pétalas são também amarelas e pintalgadas de marrom. O labelo é tribolado e amarelo. A coluna é branca com linhas transversais marrom-púrpuras.
Inflorescência: um racemo pendente ou arqueado por pseudobulbo.

Floração: Floriu em cultivo, em janeiro de 1997.

Habitat: Originária de campos rupestres no estado de Minas Gerais, onde cresce como epífita exclusivamente em Vellozia gigantea N. L. Menezes.
Figura 2. Grobya cipoensis
A- hábito vegetativo / B- Flor (vista lateral) / C- Flor dissecada/ D- Labelo/ E- Coluna (vista lateral) / F- Antera (vista lateral)
 



Grobya fascifera Rchb. f.
(Flora 69: 551. 1886)

Sinônimos:
Grobya bibrachiata Hoehne
Grobya bibrachiata var. riograndensis Pabst
Grobya galeata sensu Kraenzl.

Colorido: As flores são pequenas e amarelo-claras. As pétalas e o labelo são amarelos pintalgadas de marrom-púrpura.

Inflorescência: Uma duas hastes sub-eretas ou arqueadas por pseudobulbo.

Floração: Floresce de março a abril.

Habitat: Cresce como epífita na Mata Atlântica, no sul e sudeste do Brasil .
Figura 3. Grobya fascifera
A- Hábito vegetativo / B- Sépala dorsal / C- Sépala lateral / D- Pétala / E- Labelo (vista rontal) / F- Coluna (vista lateral) / G- Columna (vista ventral) / H- Polinário (baseado no prancha original colorida publicada por Hoehne, 1934. como G. bibrachiata).
 

 

Grobya galeata Lindl.
(Edwards's Botanical Register 26: Misc. 83. 1840)

Relacionada à G. fascifera diferindo principalmente no que diz ao formato do lobo mediano do labelo.

Colorido: As flores são amarelas e as pétalas são pintalgadas de marrom.

O labelo é trilobado.

Inflorescência: uma ou duas hastes arqueadas por pseudobulbo.

É normalmente coletada nos estados de Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro.

Habitat: Cresce como epífita na Mata Atlântica e floresce no outono, de março a maio.
Figure 4. Grobya galeata
A- Hábito vegetaivo / B- Flor dissecada (com exclusão do labelo) / C- Labelo (vista frontal) / D- Labelo (vista lateral) / E- Coluna (vista lateral) / F- Ápice da coluna (vista lateral), mostrando a antera seca e a polinário / G- Ápice da coluna (vista frontal), mostrando a antera seca e a polinário / H- Ápice da coluna (vista ventral), mostrando a antera seca e a cavidade estigmática
 



Grobya guiselii F. Barros & Lourenço
(Botanical Journal of the Linnean Society 145(1): 125-127 2004)

Tipo: Santa Catarina, Joinville.

Colorido: As pétalas são amarelas assim como sépalas que são pintalgadas de marrom.

Inflorescência: duas hastes sub-eretas ou arqueadas por pseudobulbo.

É similar à G. galeata, mas possuir flores maiores e inflorescência menor e mais densa.

Só se conhece plantas cultivadas originárias de região de Mata Atlântica no estado de Santa Catarina.
Figure 5. Grobya guieselii
A- Hábito vegetativo/ B- Flor dissecada (com exclusão do labelo) / C- Labelo / D- Coluna (vista lateral) / E- Ápice da coluna (vista ventral) / F- Ápice da coluna (vista lateral) / G- Antera(vista ventral ) / H- Polinário
 



Chave para as espécies de Grobya

1. Labelo trilobado junto ao ápice, lobo mediano pequeno, disco sem calosidade.
  2 Sépalas com ápice de agudo a acuminado; lobos laterais do labelo formando um ângulo agudo com o lobo mediano; lateral sépalas longas e estreitas (18-20 x 4-7mm)
1. G. amherstiae
  2' Sépalas com ápice obtuso; lobos laterais do labelo formando um ângulo obtuso com o lobo mediano; sépalas laterais pequenas e largas (12 x 9mm)
2. G. cipoensis
1' Labelo trilobado próximo ao meio; lobo mediano muito conspícuo; disco com calos distintos.
  3 Lobo mediano ligulado
3. G. fascifera
  3' Lobo mediano de obtrulado a obri-triangular
  4 Flores pequenas (pétalas c. 8-11 mm de comprimento, lobo mediano do labelo c. 2-33mm de comprimento)
4. G. galeata
  4' Flores grandes (pétalas c 14-16 mm. de comprimento, lobo mediano do labelo c. 6 mm de comprimento)
5. G. guieselii




Distribuição por estado:
Bahia: G. amherstiae

Espírito Santo: G. amherstiae, fascifera

Minas Gerais: G. amherstiae, cipoensis

Paraná: G. amherstiae, fascifera, galeata

Rio Grande do Sul: G. amherstiae, fascifera

Rio de Janeiro: G. amherstiae, fascifera, galeata

Santa Catarina: G. amherstiae, fascifera, galeata, guiselii

São Paulo: G. amherstiae, fascifera, galeata




(1) Sinopse do gênero Brasileiro de orquídeas Grobya, com a descrição de duas novas Espécies.
(*)
Autorizado por Fabio de Barros



Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail orquideas@superig.com.br