Orchid News # 34
XIX WOC

Marilyn HS Light
É canadense e responsável pelo Comité de Educação e da região norte americana do Grupo de Especialistas de Orquídeas e componente da diretoria do Comité Canadense - IUCN.
É graduada em agricultura e microbiologia.

ON: Marilyn, que tipo de trabalho você desenvolve em prol da conservação?
ML: É um trabalho variado focado na educação para a conservação. Quando eu tenho algo novo, publico nas revistas científicas, populares ou em outra mídia. A maior parte de meu trabalho é baseada no comportamento a longo prazo das populações de orquídeas terrestres do Canadá onde iniciei, em l985, com a orquídea européia, Epipactis helleborine.

ON: No entanto, seu trabalho engloba muito mais do que isto. Você recebeu prêmios e menções honrosas por seus projetos de conservação na área de Ottawa. Em 2006, você um prêmio pela divulgação de informações botânicas e horticulturais sobre orquídeas nativas norte-americanas. O que você poderia nos dizer sobre isto?
ML: Nossas investigações incluíram biologia da polinização do sapatinho-de-vênus amarelo grande (Cypripedium parviflorum var. pubescens), do vistoso Cypripedium reginae e de Epipactis helleborine. O impacto dos visitantes, dos fotógrafos e mesmo dos pesquisadores pisando o chão dos campos de orquídeas terrestres nos preocupa e é objeto de nossas investigações.

ON: Onde podemos encontrar os resultados de seu trabalho?
ML: O estudo do impacto dos visitantes foi apresentado na edição fevereiro de 'Orchids', a revista da American Orchid Society e também publicado em Lankesteriana em 2007. Meus trabalhos já foram também publicados em Eurorchis, Folia Geobotanica assim como nas atas de conferências e congressos. Eu sou membro do 'Garden Writers of America' e colaboro com "Orchid Review", "Orchids Australia", "The Native Orchid Journal" e outras revistas.

ON: Apesar de todas estas atividades, você ainda encontra tempo para cultivar e fazer cruzamentos de plantas?
ML: Eu também cultivo orquídeas tropicais e já registrei 20 híbridos. Como você pode imaginar, eu me mantenho muito ocupada.

ON: Como você começou a se interessar por orquídeas e por sua conservação?
ML: Comecei a me interessar quando eu vivia no Caribe (Barbados) ao visitar a primeira exposição de orquídeas. Isto me levou a escrever alguns livros incluindo "Growing Orchids in the Caribbean" e "Container Gardening in the Caribbean and Tropics", publicado pela Macmillan Education. Meu interesse pela conservação vem desde criança.

ON: Muito obrigada, Marilyn

É expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (textos, fotos, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores sob pena de ação judicial. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail: orchidnews@oi.com.br