Guilherme Harnoud Evaristo

Biodiversidade e bacias hidrográficas



O Instituto Socioambiental Rio dos Peixes (ISARP) é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), fundada em 22 de março de 2007, que atua na região da bacia hidrográfica do rio Pirai com projetos que visam à conservação, preservação e recuperação do patrimônio natural nessas áreas.
Nesse sentido, o ISARP desenvolve palestras com o intuito de alertar a população sobre as questões ambientais tanto globais como locais.
O recurso água é um dos principais destaques na preocupação coletiva com os impactos causados pelos seres humanos ao meio natural. Isso pode ser utilizado como um argumento para a defesa da biodiversidade, até então vista em segundo plano em relação às necessidades dos seres humanos. O rio Pirai fornece cerca de 30% da água potável para a cidade de Joinville, mas para garantir a manutenção de tal recurso é necessário que as florestas não deixem de existir, pois elas atuam como esponjas recebendo, armazenando e liberando aos poucos a água das chuvas.
A mata atlântica existente na bacia hidrográfica do rio Pirai é uma das florestas tropicais mais ameaçadas do planeta; cobria quase 100% do território do Estado de Santa Catarina e hoje restam dela aproximadamente 15%.
Não é só a ação direta contra as florestas que deve ser motivo de preocupação. Existem relações ecológicas que estão intimamente ligadas aos organismos biológicos, de maneira que, quando um deles é afetado, toda uma rede de outros organismos também sofre as conseqüências. Um exemplo clássico são os polinizadores.

Existem espécies de plantas que têm suas flores polinizadas por apenas uma espécie. Isso acontece por causa de um processo chamado coevolução, em que duas espécies evoluem de forma conjunta, criando uma dependência recíproca. Esse processo contribui para o surgimento da grande biodiversidade que as florestas tropicais possuem. Portanto, a manutenção dos mananciais que abastecem as cidades depende da conservação da biodiversidade, pois os impactos causados direta ou indiretamente afetarão a fisionomia das florestas que formam as bacias hidrográficas, o que conseqüentemente prejudicará a disponibilidade e a qualidade da água nesses mananciais.