Jörg Frehsonke

Produção de Phalaenopsis na Europa, espécies e híbridos modernos




Nos últimos cinco anos observamos um crescimento na produção de planta em vaso da Phalaenopsis, com um aumento anual entre 15 e 30%, o que representa, em 2008, aproximadamente 200 milhões de plantas, a maioria oriunda da Holanda e da Alemanha.
Essa grande produção causa uma demanda muito grande de plantas jovens, muitas oriundas da reprodução de mericlone. Como as importações de Taiwan representam somente uma atividade secundária, alguns grandes laboratórios se encontram na Europa. Por exemplo, o Fritz Hark de Lippstadt, na Alemanha, tem mais de 650 funcionários trabalhando em dois turnos, em 350 laboratórios, os quais possuem mais de 50% da capacidade dos de Taiwan. Outras empresas importantes são a Floricultura e a Anthura, na Holanda e a Steriplant, na Alemanha. Todas fornecem material de plantas jovens para ampliar essa produção, principalmente na Holanda e o tamanho das estufas varia entre 3 e 8 hectares, na maioria dos casos.
As plantas florescidas são distribuídas em toda a Europa, de Moscou à Lisboa e da Escandinávia à Sicília, por meio de caminhões. No entanto, 30% da produção é consumida na Alemanha. Como o mercado requer 40% de flores brancas, com diferenças locais, os 60% restantes apresentam uma grande diversidade de cores, plantas e tamanhos, o que é demonstrado em diferentes imagens. Além disso, é interessante ressaltar que, apesar de a Phalaenopsis branca parecer já ter atingido a perfeição, os produtores ainda buscam melhorar até mesmo esse grupo.
Nas duas últimas décadas observou-se uma explosão de novos padrões de cores, como os belos e extraordinários tipos de arlequim com marcas, pontos ou manchas de diferentes tonalidades. Assim se deu com as flores amarelas, pois a Phalaenopsis venosa entrou no cenário de cultivo para gerar descendentes excelentes, férteis e que não desbotam. Os produtores dos anos 1970 e 80, em todo o mundo, matariam por esse resultado!
Entretanto jamais devemos esquecer que mesmo os maiores e mais impressionantes híbridos resultam do cultivo cuidadoso e da seleção feita ao longo de diversas gerações, pois é necessário rastrear aproximadamente 40 espécies diferentes para obter tais efeitos.
Alguns influenciaram os diversos programas de cultivo ao redor do globo mais do que outros, porém cada espécie, por si só, é uma obra-prima da natureza.
Quase todas as espécies de Phalaenopsis estão em extinção em seus habitats em função do desmatamento e da coleta excedente, portanto, deveríamos buscar a propagação dessas plantas a fim de proporcionar às futuras gerações a mesma diversidade genética que atualmente encontramos e utilizamos em nossos programas de cultivo.