Gênero Caucaea (antigo Oncidium seção cucullata)

Harry Zelenko nasceu na cidade de Nova Yorque. Há seis anos atrás se mudou daquela cidade para Quito, no Equador onde pinta, ilustra, escreve e cultiva mais de 6.000 orchids.
Tem participado como palestrante e expondo seus trabalhos tanto a nível nacional como internacional e vem recebendo prêmios por seus trabalhos artísticos.
Após trinta anos pintando Oncidium, ele fez o lay-out e publicou a primeira edição de "The Pictorial Encyclopedia of Oncidium" e sete anos depois, ele publicou a segunda edição revisada com mais de 850 pinturas de plantas e flores. Durante a 18a. WOC, ele apresentou uma palestra ("The Oncidium alliance with an emphasis on Caucaea") e expôs pinturas do livro.
 



ON: Oncidium, no sentido tradicional, parece ser um grande gênero.
HZ: Sim. Segundo Mark W. Chase, existem mais de 1.400 espécies nesta aliança. Um dos meus grupos favoritos (eu adoro a cor púrpura) é agora chamado de Caucaea. Caucaea radiata foi reconhecida por Schltr. em 1920 permaneceu obscura até 2001, quando N.H. Williams & M.W. Chase propuseram a transferência de algumas espécies da seção Cucullata para Caucaea com base nas análises do DNA.

ON: Parece que Oncidium cucullatum (Caucaea olivaceum) é um dos seus favorites, qual é sua opinião a respeito destas alterações nomenclaturais?
HZ: Chase e Norris Williams descobriram com a análise molecular que Caucaea radiata era consistente com o DNA da espécie chamada Oncidium cucullatum e o gênero foi renomeado com base em Caucaea, seu nome mais antigo. Caucaea radiata é uma espécie de pequenas flores brancas e marrons e recebeu este nome em função do local em que foi encontrada, Cauca, Colômbia. O nome dado por Lindley, Oncidium cucullatum foi precedido pelo nome Oncidium olivaceum por Kunth nos primeiros anos do século dezenove. Caucaea olivaceum é agora a correta nomenclatura para aquele que chamávamos Oncidium cucullatum. Alguns taxonomistas consideram que os resultados do DNA são abertos a interpretações e por esta razão podem ser questionados. Eu acredito que os estudos moleculares oferecem informações mais acuradas e devem ser aceitas até que alguma coisa mais definitiva apareça.

ON: Quantas espécies estão incluídas neste gênero?
HZ: Na minha opinião o gênero Caucaea é atualmente limitado a sete espécies e que a distribuição geográfica e diferentes “condições de vida
” são responsáveis pela variedade de cor, forma, tamanho e padrão. O grupo inclui a Caucaea sanguinolenta da Colômbia e Equador, C. mimetica da Colômbia e Venezuela, C. olivaceum da Colômbia, Equador e Peru; C. phalaenopsis do Equador e Peru, C. nubigena do Equador e Peru, C. radiata da Colômbia e Caucaea andigena, uma espécie de cor amarela do Equador.

Caucaea olivaceum Caucaea nubigena
Caucaea phalaenopsis
Caucaea sanguinolenta


ON: Então o senhor considera Caucaea mimetica e Caucaea olivaceum como duas espécies diferentes?
HZ: Sim. Caucaea mimetica tem um formato e também o calo, de algum modo, diferentes daqueles da Caucaea olivaceum mas poderá, com uma futura análise do DNA, passar a ser considerada uma variedade e não uma espécie separada. Naturalmente, talvez haja novas espécies a serem descobertas já que novas áreas se abrem para o campo das pesquisas. Colômbia é um país difícil atualmente mas Equador e Peru acenam com novas descobertas.

ON: E sobre Caucaea phalaenopsis, o que poderia nos dizer?
HZ: Caucaea phalaenopsis é um grupo encontrado em diferentes regiões do Equador e Peru. As plantas desta linda espécie exibem uma enorme variedade de colorido e padrão dentre da população. As flores não variam só de vale para vale mas também de árvore para árvore --- e, algumas vezes, pode-se encontrar plantas diferentes com padrões diferentes na mesma árvore. Se alguém decidisse chamar de espécie cada uma desta miríade de formas, centenas de nomes poderiam ser aplicados --- talvez milhares. Mas é geralmente aceito que este grupo variado é uma única espécie. Eu acredito que o mesmo ocorra com com Caucaea olivaceum e Caucaea nubigena, outra espécie muito variada com diferentes formas de colorido.

ON: Como o senhor conseguiu as plantas para o livro Orchids: The Pictorial Encyclopedia of Oncidium?
HZ: Quando comecei a trabalhar no livro, eu não tinha problema para obter as plantas do México, das América do Sul e Central, o do Caribe pelos serviços de correio. No meio do desenvolvimento do trabalho, CITES chegou um dia, trazendo com ele um imenso aborrecimento e pesar. Por causa das novas restrições de importação, tornou-se necessário que eu viajasse para diferentes países das Américas do Sul e Central e Caribe para obter legalmente as plantas. A única coisa positiva que veio junto com o advento do CITES foi que eu tive que ver e estudar as espécies de Oncidium nos habitats. E com os anos, eu fui afortunado em conhecer mais de 200 pessoas cultas que me forneceram generosamente informações, plantas e flores. Muitas destas pessoas se tornaram bons amigos e assim continuam até o presente.

ON: Quais seriam as suas conclusões sobre CITES?
HZ: Enquanto o CITES foi válido para prevenir o tráfico internacional de animais, eu não acredito que tenha salvo apenas uma única orquídea de extinção. Cada pessoa seriamente interessada em preservação de orquídeas sabe que por causa da irregular destruição de habitatas por fazendeiros, milhões e milhões de orquídeas foram destruídas junto com outras plantas e árvores para dar lugar à pastagem ou à plantação. Se fizermos uma comparação, os coletores de orquídeas retiraram apenas um minúsculo número de plantas dos habitats. Mesmo a coleta excessiva não se iguala à destruição que um fazendeiro pode fazer. O abate e a queima para a agricultura continuam enquanto você está lendo isto, sob olhos cegos CITES. Eu acho que convenção do CITES errou quando incluiu orquídeas em suas regras … eles deveriam continuar com os animais. Até mesmo seedlings em frasco são sujeitos às restrições do CITES. E cientistas são proibidos de carregar ou enviar material prensado de um país a outro sem autorização. Eu acredito que todos no mundo das orquídeas deveriam estar livres do efeito de regulamentos não produtivos, incômodos e autoritários.

ON: O Equador não é um país grande mas possui muitas espécies de orquídeas, como o senhor vive atualmente nesse país, poderia nos dar uma idéia do número delas?
HZ: Equador tem mais orquídeas do que outro país do mundo. Mais de 4.000 já foram registradas! A maior parte delas ocorre em altitudes elevadas dos Andes.


ON: Muito obrigada, Harry Zelenko.




Ilustrações de Harry Zelenko

Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores.